• Biologia Evolutiva

Organismos, Agência e Evolução

Revisão escrita por John Dupré, disponível aqui, do livro “Organisms, Agency and Evolution” (Denis M. Walsh, 2016). O livro pode ser baixado por aqui.

Tradução de Claudio Ricardo Martins dos Reis*

A herança da famosa teoria de Darwin da evolução por seleção natural é geralmente reivindicada pelo chamado neodarwinismo, que deriva da Síntese Moderna, anunciada por Huxley, Dobzhansky, Mayr e outros nas décadas de 1930 e 1940. Suas teses mais distintivas são o poder ilimitado da seleção natural para explicar mudanças e adaptações evolutivas e o papel único do gene como régua na qual a evolução deve ser medida. Versões inflexíveis de ambas as ideias são bem conhecidas do clássico de Richard Dawkins, The Selfish Gene (1976). No entanto, a insatisfação com esta versão do neodarwinismo tem crescido rapidamente nos últimos anos, principalmente porque os avanços na biologia molecular e do desenvolvimento tornaram cada vez mais claro que a imagem do gene subjacente à segunda tese é totalmente equivocada.

Em Organisms, Agency and Evolution, Denis Walsh fornece um relato admiravelmente claro e bem informado do neodarwinismo e de suas falhas, desenvolvendo como alternativa uma visão que ele chama de Darwinismo Situado. É central ao Darwinismo Situado algo que foi parte integrante da própria visão de Darwin, mas foi perdido no neodarwinismo, a saber, o papel vital do organismo. O objetivo principal deste livro é restabelecer o organismo em seu devido lugar.

Segundo Walsh, a grande virtude do neodarwinismo, embora também seja seu vício fatal, é o que ele chama de “fracionamento” (fractionation) da evolução: a maneira pela qual a definição da evolução em termos de genes permite que ela seja dividida em processos componentes – desenvolvimento, herança, adaptação e geração de novidade – que podem ser tratadas independentemente uma da outra (pp. 72-73). Notoriamente, o desenvolvimento é uma caixa preta no neodarwinismo, uma vez que se supõe que o fenótipo desenvolvido seja determinado, mais ou menos, pelos genes. Além disso, como a evolução é definida em termos de mudanças nas frequências gênicas, a herança, na medida em que é relevante para a evolução, pode ser definida apenas como transmissão de genes. A seleção, novamente por definição, é a sobrevivência diferencial dos genes mais aptos, de modo que, no final, as características fenotípicas causadas por esses genes devem ser mais bem adaptadas ao ambiente do que seus predecessores. E a novidade evolutiva, finalmente, só pode ser fundamentada em mudanças nos genes. A barreira de Weismann – a suposição, transformada oficialmente em dogma por Francis Crick, de que a informação genética só podia viajar de células germinativas para células somáticas, nunca na direção inversa – significava que apenas mudanças diretamente nas células germinativas poderiam ser herdadas. Além disso, uma vez que as células germinativas não estavam diretamente envolvidas em nenhuma atividade funcional do organismo, parecia que essas alterações só podiam ser aleatórias: somente por sorte elas poderiam ser adaptativas.

Walsh é escrupulosamente cuidadoso ao dar o devido crédito à Síntese Moderna. Por exemplo, depois de mostrar que existem vários canais de herança, além da transmissão de genes, que podem gerar mudança evolutiva, ele insiste, no entanto, que os neodarwinistas podem responder, com base em seu conceito próprio de herança, que “qualquer fenômeno que não é garantido pela transmissão de genes [...] simplesmente não é herança. Esse compromisso é justificado e merecido pelo sucesso da Síntese Moderna” (p. 102).

Pessoalmente, sou um pouco mais cético em relação a esse sucesso. Certamente, a centralidade do conceito de gene, apesar de seus crescentes problemas empíricos, tem sido extremamente produtiva na biologia molecular e do desenvolvimento. Se a genética populacional, a atividade teórica no cerne da teoria evolutiva neodarwinista, produziu frutos comparativamente nutritivos é mais discutível. Mas é sem dúvida uma boa estratégia ser o mais apaziguador possível para os neodarwinistas, dado seu papel poderoso e contínuo na discussão evolutiva e a notória hostilidade a sérias dissensões.

De qualquer forma, apesar desses gestos respeitosos, Walsh pretende enterrar o neodarwinismo, não elogiá-lo, e ele fornece uma visão geral convincente dos problemas crescentes que confrontam esse programa de pesquisa. Em particular, e de acordo com o objetivo de reafirmar a centralidade do organismo, Walsh argumenta consistentemente que os vários componentes da evolução não podem, de fato, ser separados da maneira que o neodarwinismo propõe. Assim, por exemplo, ele defende um holismo da herança, segundo o qual “o padrão de herança é mantido pelas atividades auto-reguladoras e adaptativas de organismos embebidos em seus ambientes. Os genes têm um papel importante a desempenhar na produção confiável de fenótipos, mas não é um papel que possa ser diferenciado e destacado de quaisquer outros componentes do sistema” (p. 112).

Essa mudança do atomismo reducionista e mecanicista para uma alternativa holística, que fornece status igual para explicações top-down, permeiam a defesa aguerrida de Walsh do organismo. Uma das linhas de argumentação mais originais e interessantes começa com a ideia de que um genecentrismo, tradicionalmente baseado em informações, possa ser defendido por meio do relato de significado da teoria dos jogos de David Lewis e da sugestão de que os genes sejam interpretados como sinais com força imperativa. Em suma, os genes (como sugerido por metáforas familiares, como projetos e receitas) dão as ordens. Mas, de fato, como Walsh argumenta de forma convincente, as coisas se dão exatamente ao contrário. Os sistemas de desenvolvimento garantem a reprodução confiável de organismos diante de uma variedade de circunstâncias imprevisíveis pela regulação de genes. A base empírica para tal afirmação será familiar para aqueles que encontraram trabalhos como Evolution, de James Shapiro (2011), no qual ele descreve o genoma como um sistema de armazenamento de leitura/escrita.

Os evolucionistas conservadores provavelmente ficarão perturbados com o rebaixamento de Walsh da importância da seleção natural. Ao contrário do influente relato de Elliott Sober (1984) sobre a seleção natural como uma força que atua sobre populações, Walsh vê isso como um “efeito de ordem superior”. Ou seja, não passa de um somatório de todos os nascimentos, mortes e reproduções individuais na população. Isso não implica que seus resultados sejam imprevisíveis. Assim como a pressão sobre um recipiente de gás não é mais que os impactos nas paredes de moléculas individuais, é possível, ainda assim, fazer previsões precisas sobre qual é seu efeito conjunto. De fato, como Walsh enfatiza, existem explicações importantes que apelam a efeitos de ordem superior, mas tais explicações não exigem a proposição de causas adicionais no nível da população.

Interessa saber em que medida esse relato deflacionário da seleção natural se aplica à adaptação. Continua sendo comum ouvir que a seleção natural não é apenas a causa da adaptação, mas sua única causa possível. Claramente, isso não é compatível com o fato de ser apenas um efeito de ordem superior, uma vez que, em sendo assim, não é uma causa. Penso que existe aqui um ponto óbvio, mas notavelmente negligenciado: a seleção não pode ser uma causa de adaptação, porque só pode ser aplicada se alguma outra causa tiver fornecido os fenótipos adaptados a serem selecionados. A visão de que a seleção causa a adaptação realmente oculta uma afirmação substantiva bastante diferente, a saber, que pequenas mutações aleatórias são suficientes para levar uma população entre pontos arbitrários no espaço fenotípico. À medida que se torna cada vez mais claro que os estados dos genes geralmente não determinam características fenotípicas, essa afirmação se torna cada vez mais difícil de defender.

Walsh, por outro lado, argumenta que a adaptação é resultado de tendências adaptáveis ​​herdáveis – a plasticidade adaptativa – no desenvolvimento dos organismos. Embora ele não use a palavra com frequência, essa proposta é completamente lamarckiana, pelo menos no sentido popular de envolver a herança de caracteres adquiridos e, portanto, viola uma das normas mais caras à ciência contemporânea. Esse caminho “proibido” é alcançado por uma rota igualmente indecorosa: Walsh acredita que os organismos são agentes e que seu entendimento adequado requer princípios teleológicos de explicação.

É interessante comparar os argumentos de Walsh sobre a importância da teleologia com os argumentos notórios apresentados, recentemente, por Thomas Nagel (2012). Enquanto os últimos argumentos foram oferecidos por um espírito misterioso da costa leste, fundamentado em uma orgulhosa ignorância de detalhes científicos vulgares, Walsh chega a suas conclusões teleológicas a partir de um profundo e sério envolvimento com a ciência empírica. Uma crescente riqueza de evidências mostra que os organismos são sistemas de desenvolvimento plástico capazes de gerar novas maneiras de manter um ajuste adequado com seu ambiente e suas condições de existência, e de fornecer maneiras de transmitir essas novidades a seus descendentes. O alcance e os limites de tais capacidades permanecem sujeitos a uma investigação mais aprofundada, mas a existência de tais capacidades está além de sérias disputas, e é cada vez mais plausível que as regularidades em termos do estado final que um sistema alcançará permaneçam um complemento inevitável aos relatos mais mecanicistas de rotas específicas pelas quais tais estados são alcançados em circunstâncias particulares.

Como indiquei, o tratamento respeitoso de Walsh da Síntese Moderna não o salvará da ira daqueles cujas mais queridas convicções ele tenta violar. No entanto, sua crítica reflete um consenso crescente entre um grande corpo de teóricos evolucionistas mais críticos e, à luz de tais críticas, seus argumentos positivos para a centralidade do organismo, para seu papel fundamental na condução de mudanças evolutivas e para levar em conta a perspectiva do organismo como agente merece uma atenção muito séria. Este é um livro importante que avançará os debates atuais sobre a teoria da evolução em direções produtivas.

Sem (ainda) ser totalmente convencido por todas as teses centrais, não encontrei muitas coisas neste livro com as quais queira criticar além de um número ligeiramente irritante de erros de digitação e palavras ausentes. Em alguns lugares, a linguagem técnica pode ter sido evitada e, assim, aumentado o público potencial para o livro. Mas minhas principais preocupações são de omissão, e essas são prontamente desculpáveis, dada a ambição e amplitude do livro (amplitude, a propósito, que excede em muito o que foi possível discutir nesta revisão).

Foi surpreendente que Walsh não tenha falado mais sobre epigenética. De fato, o tópico foi discutido apenas uma vez, principalmente em relação às famosas paisagens epigenéticas de Conrad Waddington (p. 136). Trabalhos mais recentes sobre epigenética certamente teriam sido muito úteis para sua tese geral, tanto para demonstrar a contingência das relações entre genes e fenótipos quanto para potencialmente vincular plasticidade do desenvolvimento à herança. Também relacionado a Waddington, teria sido bom ouvir um pouco sobre visões anteriores da evolução centradas em organismos, especialmente a tradição organiscista que floresceu na primeira metade do século XX e que incluía figuras como J.S. Haldane, Joseph Needham, Paul Weiss, Ludwig von Bertalanffy e o próprio Waddington. Como é quase obrigatório nesses debates, Walsh afirma que está recuperando ideias perdidas de Darwin. Mas a centralidade do organismo permaneceu uma ideia importante pelo menos até, digamos, 1953.

Com a desculpa de que muitos desses primeiros organicistas também estavam mais ou menos comprometidos com ontologias de processos de vários tipos, irei me permitir algumas linhas, finalmente, para falar sobre meu tema atualmente favorito. Muitas das ideias que Walsh desenvolve clamam por incorporar-se explicitamente a uma biologia de processos. Os tipos de agentes que constituem os organismos de Walsh, que exploram ativamente suas relações com suas condições de existência, parecem muito mais processos do que objetos, algo que ele reconhece em um artigo mais recente (Walsh, no prelo). Walsh vê o organismo como “misturado” com suas condições de (ou recursos para) existência e sustenta que para entender essa mistura é necessário abandonar as oposições entre estrutura e função, interior e exterior, conservadorismo e mudança (p. 184). Essa mistura é difícil de descrever em uma ontologia tradicional de substâncias (ou coisas), mas não constitui problema algum em uma ontologia de processos. Nesse contexto, essas oposições, principalmente entre estrutura e função, desaparecem facilmente. A plasticidade como um meio para a estabilidade (pág. 195) parece paradoxal em uma ontologia de substâncias, mas faz todo sentido em uma ontologia de processos, em que o que requer explicação é a estabilidade, pelo menos tanto quanto a mudança.

Mas, repetindo, este não é um livro que possa satisfazer a todos perfeitamente. Ele assume um objetivo relevante de maneira sistemática e, após apresentá-lo de forma abrangente, oferece uma visão alternativa de todo o campo da biologia evolutiva. Poucas pessoas aceitarão totalmente os dois aspectos do projeto. No entanto, existe uma sensação generalizada, se não universal, de que a teoria da evolução está atrasada para uma repensar fundamental e, entre os desta opinião, o livro de Walsh fornecerá um caminho possível bastante sério. Filósofos(as) da biologia, teóricos(as) da evolução e qualquer pessoa interessada nas discussões deste campo e com uma compreensão razoável do vocabulário especializado, precisarão ler este livro.

Referências:

Dawkins, R. [1976]: The Selfish Gene, Oxford: Oxford University Press.


Nagel, T. [2012]: Mind and Cosmos: Why the Materialist Neo-Darwinian Conception of Nature Is Almost Certainly False, Oxford: Oxford University Press.


Shapiro, J. A. [2011]: Evolution: A View from the 21st Century, Upper Saddle River, NJ: FT Press.


Sober, E. [1984]: ‪The Nature of Selection: Evolutionary Theory in Philosophical Focus, Chicago: University of Chicago Press.


Walsh, D. M. [forthcoming]: ‘Objectcy and Agency: Toward a Methodological Vitalism’, in D. Nicholson and J. Dupré (eds), Everything Flows: Towards a Processual Philosophy of Biology, Oxford: Oxford University Press

........................................................................................................................................................

*Professor adjunto na Universidade Federal da Bahia (UFBA), laboratório de Ensino, Filosofia e História da Biologia (LEFHBio). Doutor em Filosofia (UFRGS), mestre em Ecologia (UFRGS) e bacharel em Ciências Biológicas (UFRGS). Tem interesse em Filosofia, História e Sociologia da Ciência, especialmente da Biologia, incluindo a dimensão social do conhecimento científico e o papel apropriado dos valores na produção desse conhecimento. A investiação do seu doutorado envolveu o tema das relações entre ciência e valores, em que defendeu uma posição pluralista e sensível ao contexto.

78 visualizações
FIQUE POR DENTRO

Av. Bento Gonçalves 9500, Agronomia - Porto Alegre - RS |  minicursoevolucao@gmail.com